Cuba estabelece preços diferenciais por origem do arroz

 Cuba estabelece preços diferenciais por origem do arroz

Em Havana, longas filas por alimentos e gêneros de limpeza se formam todos os dias. (Divulgação)

A partir de maio, o preço do arroz vendido à população cubana assumirá seu preço considerando a origem do grão importado.

O Conselho de Ministros de Cuba fixou os preços do arroz no mercado retalhista, de acordo com a sua qualidade, tomando como parâmetro de referência a percentagem de grãos quebrados. Em sua página oficial, o Ministério do Comércio Interno (MINCIN) anunciou que foi aprovado manter a partir de maio novos preços de varejo do grão tão apreciado pela população cubana, diferenciando-se conforme sua origem, o que implica uma mudança.

A partir da cota regulada de maio, para o arroz importado, será aplicado o preço de sete pesos (R$ 1,61) por libra (0,4536kg) para a origem do Vietnã para a venda regulada (com subsídios governamentais) e dez pesos (R$ 2,30) para a área americana: de Brasil, Uruguai e Argentina.

A nota publicada no portal institucional do MINCIN informa que no próximo mês será comercializada, nestas condições, uma libra (0,45kg) per capita de arroz, além da cota regulamentada, para toda a população cubana.

O país caribenho vive uma séria crise alimentar durante a pandemia.

Cuba está entre os principais compradores de arroz do Brasil nesta década.

Postagens relacionadas

Deixe um comentário

Receba nossa newsletter