Início da colheita retrai compradores e pressiona cotações

Além do aumento da oferta nesse período, como orizicultores costumam precisar de caixa durante o período de colheita, beneficiadores esperam cotações menores nas próximas semanas, com a intensificação dos trabalhos.

Apesar de a colheita estar no início no Rio Grande do Sul, compradores estiveram ainda mais retraídos nos últimos dias, apostando na boa safra deste ano.

Mesmo com redução de área, no geral, o clima foi considerado satisfatório, o que pode elevar a produtividade e manter a temporada de 2014/15 praticamente igual à anterior.

Além do aumento da oferta nesse período, como orizicultores costumam precisar de caixa durante o período de colheita, beneficiadores esperam cotações menores nas próximas semanas, com a intensificação dos trabalhos.

Na parcial de fevereiro, o Indicador ESALQ/Bolsa Brasileira de Mercadorias-BM&FBovespa (Rio Grande do Sul, 58% grãos inteiros) registrou queda de 3,1%, fechando a R$ 37,25/sc de 50 kg (dia 18). (Fonte: Cepea – www.cepea.esalq.usp.br).

Postagens relacionadas

3 Comentários

  • A indústria aposta numa safra excelente, o produtor, por hora, sente os prejuízos com o excesso de chuva e custos aumentando, também devido ao dólar alto e conta energética. A indústria aposta, e o produtor planta…
    Para que não tenhamos tantos mais saindo do ramo, as contas têm de serem feitas na ponta do lápis, eu penso que uma baixa no preço do cereal irá levar a uma enorme procura por estocagem por parte dos beneficiadores, fato que acarretará em menor rentabilidade para os produtores. A indústria aposta, o produtor planta…

  • Sr. Felipe Ferreira de Paula, A indústria é muito bem informada, sabe que a safra será capenga, mas mesmo assim faz seu joguinho, quando tiver uma oportunidade, faça-nos uma visita ( Camaquã ), o amigo verá grandes lavouras de soja na várzea com desenvolvimento exuberante, muito boas, áreas antes ocupadas com arroz. As variedades usadas pelos produtores desenvolvidas e experimentadas a mais de quatro anos na estação experimental da AUD (Associação do usuários do Perímetro do Arroio Duro ), que vem trabalhando junto ao IRGA, EMBRAPA, e multinacionais detentoras de variedades RR adaptadas à várzea, para incrementar o plantio da soja em áreas de arroz em rotação com esta leguminosa, estão a cada ano mais adaptadas e produtivas.
    De forma que objetivamente, neste despretensioso comentário, fica de minha parte, um pequeno alerta aos industriais do arroz, as áreas de soja estão a cada dia avançando e reduzindo as áreas de arroz aqui em Camaquã, é muito fácil constatar, basta sobrevoar a região e ver com os próprios olhos o percentual de equivalência soja/arroz.

  • Eu acredito Sr. Carlos que a soja está tomando o lugar do arroz, pois nesse mercado esse nosso governo não tem condição de interferir e lesar… Fico preocupado mesmo é com a alimentação do brasileiro, que com tantos fatores, certamente os produtores sérios sairão do ramo ou buscar novos mercados externos e assim teremos os ratalinos por aqui… Fico preocupado com os produtores que tem uma vida no plantio de arroz e ter que abandonar a cultura por inconsequência e incompetência governista… Eu, sou vendedor de arroz, mas sei que esse mercado está bagunçado, preferências absurdas surgindo no ceio da qualidade… Enfim, prezados, só lamento pela situação em que nos encontramos, custo alto, inflação de outros produtos e serviços em alta, o que não permite uma subida no produto arroz. Ora, mas se o custo sobe, o preço tem que subir, não é? Meio óbvio isso…

Deixe um comentário

Receba nossa newsletter