Investimento brasileiro chega à indústria do arroz do Equador

 Investimento brasileiro chega à indústria do arroz do Equador

La empresa ecuatoriana da varios servicios a otras compañías.(Foto Guillermo Lizarzaburo, El Expreso)

(Por Guillermo Lizarzaburo, El Expreso, Equador) A Agroindustrias Dajahu, que faturou em 2020 mais de 57 milhões de dólares, vendeu sua linha de arroz para a brasileira Camil Alimentos, com a venda de duas fábricas (beneficiamento de arroz e armazenamento de grãos) e terreno adquirido para futuros centros de coleta de matéria-prima. Especificamente, quatro imóveis de interesse foram vendidos, além de marcas próprias no campo de arroz.

Em comunicado dirigido à bolsa, a Dajahu explicou que mantinha operações no ramo de comercialização de arroz e no setor imobiliário: a partir de agora, a Dajahu continuará a operar com o restante dos ativos que possui, relacionados apenas com o seu negócio imobiliário , imóveis que ultrapassam os oitenta, com um valor comercial superior a 60 milhões de dólares e que representam para a empresa receitas anuais superiores a 3,5 milhões de dólares. Os fabricantes de arroz consultados pelo EXPRESO explicam que das suas marcas é Rico, a que domina na Serra, em Quito e Ibarra e arredores; Ele também tem Osito, Pioli, Riky, Dianita e Doña Pepita.

O presidente da Corporación de Industriales Arroceros (Corpcom), Juan Pablo Zúñiga, destaca que este é o investimento estrangeiro mais importante no setor arrozeiro nacional e que chega a uma empresa consolidada e fortalecida. Em 2018, de acordo com o prospecto de emissão de títulos na Bolsa de Valores de Guayaquil, Dajahu mantém uma participação de mercado de 21% em comparação com seus concorrentes Agrogulet (13%), Arrocesa (11), Labiza y Portilla (9%) e Silvia María (6%).

Com mais de 50 anos de história, a Camil é uma das maiores empresas de bens de consumo do setor de alimentos no Brasil e na América do Sul, “ocupando posição de liderança nos segmentos e nos países em que atuamos”, diz o brasileiro. “Nossas atividades incluem a industrialização , comercialização e distribuição de grãos (principalmente arroz e feijão), açúcar e conservas de peixe (sardinha e atum, além de molhos e patês) por meio de marcas de forte reconhecimento. e líderes em market share no Brasil, Uruguai, Chile e Peru. ”Dajahu informou que, devido à liquidez gerada com a venda de sua linha de arroz, a empresa decidiu recomprar integralmente a atual emissão do título, em breve possível, para o qual as respetivas propostas estão a ser enviadas aos investidores.

A Dajahu tem capacidade de armazenamento de 70.000 toneladas de grãos por meio de silos, tendo entre seus clientes Pronaca, Agripac, Alicorp. É um grande concorrente da Unidade Nacional de Armazenamento (UNA, estadual). AS MARCAS. A empresa equatoriana desenvolveu várias marcas de arroz envelhecido. Produz os de qualidade denominados premium, normal e regular. 60% de suas vendas são realizadas pelo segmento 1 e 20% pelo segmento 2.

A Camil tem capacidade de produção anual de 1.760 toneladas de grãos, 727 mil de açúcar e cerca de 60 mil de peixes. Possui 14.000 clientes em plataformas de vendas e distribuição e aproximadamente 300.000 pontos de venda.

Postagens relacionadas

Deixe um comentário

Receba nossa newsletter