Tecnologia reduz pela metade o ciclo de crescimento do arroz

 Tecnologia reduz pela metade o ciclo de crescimento do arroz

Foto aérea tirada em 18 de agosto de 2021, mostra aldeões exibindo arroz na vila de Taihe, cidade de Fuxing, cidade de Chishui, província de Guizhou. [Foto / Xinhua]

(Por Planeta Arroz*) A China reduziu pela metade o ciclo de crescimento do arroz para cerca de 60 dias em um viveiro, usando tecnologia inovadora para o melhoramento genético, disse Yang Qichang, pesquisador do Instituto de Agricultura Urbana da Academia Chinesa de Ciências Agrícolas.

Yang, também cientista-chefe da equipe de viveiros do instituto, disse que o arroz experimental fornecido pelo Instituto Nacional de Pesquisa de Arroz da China eram variedades anãs adequadas para cultivo vertical em prateleiras de vários andares.

O experimento foi realizado com LEDs proporcionando as melhores condições de iluminação em diferentes períodos de cultivo.

As bandejas de cultivo forneciam nutrientes específicos com base nas necessidades de crescimento, enquanto fatores como temperatura, umidade e concentração de dióxido de carbono estavam sob controle preciso.

Duas das seis variedades anãs foram colhidas em 63 dias, quase metade do período normal de cultivo de 120 dias em terras agrícolas, e renderam 9,78 toneladas métricas por hectare.

As safras só podem ser colhidas duas a três vezes por ano em terras agrícolas, enquanto o viveiro deve produzir seis gerações de safra.

“Esta técnica encurta muito o ciclo de criação e melhora a eficiência do cultivo, estabelecendo um exemplo para outras culturas”, disse Yang.

Qian Qian, acadêmico da Academia Chinesa de Ciências e vice-diretor do instituto de pesquisa do arroz, disse que o melhoramento genético é fundamental para garantir a segurança alimentar nacional.

“São necessárias várias gerações de propagação para criar novas variedades excelentes, que duram anos ou mesmo dezenas de anos. A técnica no viveiro quebra o gargalo do tempo e do espaço”, disse Qian.

O ambiente controlado e os nutrientes no viveiro podem promover dramaticamente a fotossíntese das safras e seu crescimento, e sem ser afetado pela terra, espaço, condições climáticas e mudanças sazonais, o sistema pode ser construído perto dos institutos de criação, disse Yang.

“No futuro, será possível usar métodos de fábrica para produzir grãos e as cidades podem ver um grande número de fábricas de produção de alimentos”, disse ele.

Dado o apoio científico do governo central e os avanços na tecnologia de iluminação LED, o desenvolvimento de viveiros na China começou tarde, mas se desenvolveu rapidamente.

A China estabeleceu um parque de demonstração agrícola na Romênia e uma base de fazenda inteligente no Reino Unido para desenvolver ainda mais a técnica, acrescentou. (*Com Xinhua)

Postagens relacionadas

Deixe um comentário

Receba nossa newsletter