Uso de arroz para etanol é apenas provisório, diz governo da Índia

 Uso de arroz para etanol é apenas provisório, diz governo da Índia

(Por Business Standart) O governo da Índia esclareceu esta semana que o uso de arroz da Food Corporation of India (FCI), uma estatal de armazenamento e estoques reguladores de grãos, a um preço com desconto de 2.000 rúpias por quintal (equivalente a R$ 138,52) é apenas um arranjo intermediário para garantir que as próximas destilarias à base de grãos não fiquem desabastecidas e a principal matéria-prima dessas destilarias continuará a ser o milho e não o arroz.

“Se você observar o mundo todo também, dos 10.000 crore (10 bilhões) de litros de etanol produzidos anualmente, cerca de 73% vem do milho e uma proporção muito pequena é do arroz. Na Índia também, o arroz excedente da FCI só será usado para garantir que 100 crore litros de capacidade chegando às destilarias de grãos não fiquem sem matéria-prima enquanto a produção de milho aumenta para alimentar essas plantas industriais”, disse o secretário de alimentos Sudhanshu Pandey a repórteres .

Ele estava respondendo a uma pergunta sobre se o FCI que vende arroz excedente a Rs 2.000 por quintal para fazer etanol é razoável, enquanto vende o mesmo arroz a preço mais alto para operações de mercado aberto e também sobre quem arca com o subsídio por essa venda barata.

O subsídio será incorrido porque o custo econômico do arroz do FCI para 2020-21 é estimado em cerca de Rs 30 por kg, enquanto o mesmo será vendido para destilarias à base de grãos por Rs 20 por kg de acordo com a nova política.

Pandey também disse que a Índia misturará cerca de 8-8,5% do etanol com gasolina no ano de abastecimento de 2020-21 (dezembro a novembro), dos quais cerca de 13% virão de fontes não-cana-de-açúcar como matéria-prima, enquanto outros 57% do melaço. Isso colocará o país no rumo certo para atingir uma meta de mistura de etanol de 10% até o ano de fornecimento de 2021-22 e, posteriormente, mistura de 20% de etanol até 2025.

“Se a Índia conseguir atingir 20% da mistura de etanol até 2025, isso levará a uma redução de 30 a 35% no monóxido de carbono, uma redução de 20% no hidrocarboneto, e desviará cerca de 16,5 milhões de toneladas de grãos excedentes e também 6 milhões de toneladas do excesso de açúcar beneficiando os agricultores”, disse o secretário de Alimentos, Pandey

Postagens relacionadas

Deixe um comentário

Receba nossa newsletter